terça-feira, outubro 30, 2012



A Reforma Inglesa ou Reforma anglicana foi uma série de eventos no século XVI pelos quais a Igreja da Inglaterra rompeu com a autoridade do Papa e a Igreja Católica Romana.
Esses eventos foram parte de um processo mais amplo, a Reforma Protestante européia, movimento político e religioso que afetou a prática do Cristianismo por toda a Europa. Muitos fatores contribuíram, como o declínio do Feudalismo e a ascensão do Nacionalismo, a invenção da prensa de Gutenberg e o consequente aumento do número de Bíblias disponíveis, a transmissão de conhecimento e novas idéias não somente entre a nobreza e o clero, a transmissão de novos conhecimentos e idéias entre pesquisadores e membros superiores e classes médias. No entanto, as várias fases da Reforma Inglesa, que também abrangia o País de Gales e Irlanda, eram em grande parte impulsionada por mudanças na política do governo, para que a opinião pública gradativamente se acomodou.



A Reforma Inglesa começou como um outro capítulo da disputa com a Igreja Católica, que também envolvia o desejo do Rei Henrique VIII de anular matrimônio a que tinha com sua mulher, Catarina de Aragão, para casar-se com Ana Bolena. Esta foi, no início, uma disputa mais política do que teológica, mas a realidade das diferenças políticas entre Roma e Inglaterra permitiram que os atritos religiosos se tornassem maiores. O rompimento com a Igreja Católica elevou o monarca inglês ao topo da hierarquia religiosa, através da "Supremacia Real", estabelecendo assim a Igreja da Inglaterra, mas a estrutura e teologia dessa igreja tornou-se uma disputa por gerações. Isso eventualmente conduziu à Guerra Civil Inglesa.
Há diferentes opiniões sobre o motivo de a Inglaterra ter adotado uma fé reformada, diferentemente da França, por exemplo. Alguns crêem que era inevitável o triunfo das forças do novo conhecimento e do novo senso de autonomia sobre as superstições e corrupção.Outros acreditam que foi uma questão de oportunidade: Henrique VII morreu na hora errada, Maria I não tinha filhos, a reforma não significava inevitavelmente uma saída da Comunhão Romana. Outros ainda argumentam que para a maioria das pessoas simples havia uma continuidade além da ruptura, que foi tão significativo quanto qualquer mudança.


Henrique VIII, por Hans Holbein, o Jovem; O iniciador da reforma inglesa.
A Inglaterra esteve próxima de Roma por quase mil anos antes que as duas igrejas, divididas em 1534, durante o reinado de Henrique VIII. A separação teológica havia sido criada dentro da igreja britânica através de movimentos como os Lollards, mas a Reforma Inglesa obteve verdadeiro apoio político quando Henrique VIII subiu no trono inglês em 1509. Casou-se com Catarina de Aragão, viúva de seu irmão Arthur, por motivos políticos, logo após sua coroação. Diferentemente de seu pai, que fora conservador e secretista, o jovem Henrique parecia ser o epítome da cavalaria e sociabilidade, buscando a companhia de homens como ele. Um católico devoto, chegava a assistir à cinco missas por dia, exceto na época de caça. De mente astuta, mas de pouca originalidade, ele permitiu ser influenciado por seus assessores, que o ajudavam dia e noite. O rei era, portanto, influenciado por quem quer que conseguisse se fazer ouvir. Entre seus contemporâneos e o Cardeal Wolsey havia um clima de hostilidade, pois o cardeal influenciava muito o rei. Em 1521, Henrique defendeu o catolicismo das acusações de heresia por Martinho Lutero, em um livro que escreveu, provavelmente com a ajuda de Thomas More, intitulado "A Defesa dos Sete Sacramentos", pelo qual ele foi premiado com o título de "Defensor da Fé" pelo Papa Leão X. Porém, os inimigos de Wolsey na corte, inclusive aqueles influenciados pelas idéias de Lutero, estavam descontentes. Uma dessas pessoas era a atraente Ana Bolena.
Ana chegou à corte em 1522 como dama-de-honra da Rainha Catarina. Era uma mulher de charme, estilo e sagacidade. Nos fins da década de 1520, Henrique queria que seu casamento com Catarina fosse anulado. Ela não havia dado à luz a um herdeiro homem, sua única filha era a Princesa Mary. A Inglaterra já havia sido atormentada por guerras civis, lutas pelo direito ao trono, e o rei não queria um destino tão incerto.


O rei acreditava que a falta de um herdeiro era porque seu casamento estava "degradado aos olhos de Deus". Catarina havia sido esposa de seu irmão e, segundo a Bíblia, ele não poderia ter se casado com ela. Uma exceção especial concedida pelo Papa Júlio II foi necessária para que o casamento ocorresse. Henrique argumentou que aquilo fora errado e que seu casamento não era válido. Em 1527, o rei pediu ao Papa Clemente VII que anulasse seu casamento com Catarina, mas o papa recusou. Além disso, Clemente temia a ira do sobrinho de Catarina, Carlos V, Imperador do Sacro Império Romano-Germânico, cujas tropas, naquele mesmo ano, haviam saqueado Roma e aprisionado o Papa.
A combinação de sua consciência escrupulosa e seu fascínio por Ana Bolena fê-lo livrar-se pessoalmente de seu compromisso com a rainha. A requisição de seu chanceler, Cardeal Wolsey, para uma viagem a Londres e sua subsequente morte, deixou Henrique vulnerável à influencias externas, principalmente dos inimigos de Wolsey e aqueles que não desejavam subordinar-se à Igreja Católica. O Parlamento convocou seus membros em 1529 para ratificar o desejo de separação e estabelecer os termos sob os quais ela deveria ocorrer, o que ficou conhecido como a Reforma do Parlamento. Um dos membros do Parlamento era Thomas Cromwell, um evangélico que viu como o Parlamento pode ser usado para favorecer a Supremacia Real, o que Henrique queria, e adicionar práticas e crenças evangélicas, o que ele e seus companheiros queriam. Um de seus principais companheiros foi Thomas Cranmer, que logo se tornaria Arcebispo.


A Reforma

Assim, o rei Henrique VIII, embora teologicamente devoto católico romano (proclamado "Defensor Fé" por seus ataques contra o luteranismo), decidiu tornar-se Chefe Supremo da Igreja da Inglaterra, para obter a anulação de seu casamento. Em seguida, o Parlamento inglês decretou que os impostos religiosos não fossem mais pagos ao papa, mas ao rei, e que a Igreja Anglicana podia deliberar sobre as próprias questões internas, sem recorrer a Roma. Como resposta, o papa excomungou Henrique. Os mosteiros seriam saqueados e destruídos, e seus bens foram confiscados e vendidos.
Henrique manteve uma forte preferência pela a tradicional liturgia católica romana durante o seu reinado, de modo que os reformadores protestantes não foram capazes de praticamente nenhum progresso nas doutrinas e práticas da Igreja da Inglaterra sob o seu governo. Mas, sob o governo de seu filho, Eduardo VI (1547-1553), a própria igreja chegou a ser teologicamente protestante mesmo que sendo retornada a Igreja Católica Romana durante o reinado da rainha Maria I em 1555 (que foi apelidada pelos seus detratores como "Bloody Mary" ou Maria, a Sanguinária). Durante seu breve reinado, ela ab-rogou todos os provimentos de Henrique VIII e Eduardo e retomou as leis contra os hereges. Muitos protestantes fugiram do país e os bispos católicos retomaram a posse de suas sedes. Foram instituídas comissões especiais com a tarefa de encontrar e processar os hereges em todo o território do reino.


O estabelecimento, sob o governo de Elizabeth I (de 1558) de uma Igreja da Inglaterra claramente protestante, mas moderada (como reconheceu a sua herança católica e apostólica), permitiu consolidar legalmente (no âmbito do estado e parte dele) e deixou acomodar dentro de sua comunhão para uma ampla gama de posições teológicas, que desde então tem sido uma das suas características essenciais. Elisabeth criou uma igreja autônoma cujos artigos de fé representavam um compromisso entre instâncias católicas, luteranas e calvinistas e contentaram grande parte dos cristãos da Inglaterra.



Século XX


Em 1927 os anglo-cristãos (ou anglicanos) levaram a cabo uma reforma no Prayer Book (de 1662), mas com imensas dificuldades, pois nas câmaras parlamentares londrinas a tendência protestante, avessa ao catolicismo, era muito forte. Depois de quarenta anos de debates, o novo Prayer Book foi finalmente introduzido autorizando assim todas as modificações que diziam respeito às formas de culto. O anglo-catolicismo esteve também na origem da renovação monástica ocorrida no século XX, apesar de esta se ter iniciado na segunda metade do século anterior. O Conselho Britânico das Igrejas, criado em 1943, permitiu a coordenação de esforços com os dissidentes anglicanos.
A 23 de março de 1966, D. Ramsey, arcebispo da Cantuária, visitou o Papa Paulo VI. Na década de oitenta do século passado foi estudada a possibilidade de ordenação de mulheres. Paralelamente, mulheres anglicanas dos Estados Unidos e da Nova Zelândia seriam eleitas para a dignidade bispal nas décadas que se sucederam. Finalmente, em 1992, a Igreja inglesa oficializou o sacerdócio feminino. Em 1994 mais de trinta mulheres tinham já sido ordenadas, o que não deixou de provocar uma série de protestos no seio da própria Igreja anglicana.

Fonte:
1) http://pt.wikipedia.org/wiki/Reforma_Inglesa
2) http://www.infopedia.pt/$anglicanismo

Acessados em 30/10/2012 - às 22:45h GMT -4


0 comentários:

Postar um comentário

Olá! Assim que analisado, seu comentário será publicado. Obrigado por visitar nosso site. Deus te abençoe!

 
Toggle Footer